10 dicas para se tornar mais focada e produtiva

10 dicas para se tornar mais focada e produtiva

Se manter focada e produtiva certamente é um desafio para muitas mulheres. Até porque temos aquele hábito de querer controlar tudo e mostrar que somos seres multitarefas capazes de fazer um milhão de coisas ao mesmo tempo. Continuar lendo “10 dicas para se tornar mais focada e produtiva”

Anúncios
Reforma trabalhista: As principais mudanças propostas pelo atual governo

Reforma trabalhista: As principais mudanças propostas pelo atual governo

A necessidade por mudanças e aquecimento na economia tem feito o atual governo adotar medidas que podem ser consideradas radicais para alguns ou benéficas para outros.

A real é que os impactos dessas mudanças só serão sentidos a longo prazo. Algumas mudanças, como no caso da legislação trabalhista, podem causar grandes reflexos futuros na economia brasileira, produtividade no trabalho, comportamento e aposentadoria dos trabalhadores.

Entre algumas das mudanças estão: priorizar os acordos firmados entre as empresas e os sindicatos e permitir o parcelamento de férias em 3 partes.

1. Jornada de trabalho

A proposta mantem o padrão de 8 horas diárias, sendo as 44 horas semanais podendo o trabalhador estender sua jornada computando horas adicionais (extras) em até 12 horas diárias, respeitando o limite de prestação de horas adicionais.

Segundo o Ministro do Trabalho Ronaldo Nogueira: “A convenção coletiva vai poder definir a forma com que a jornada de 44 horas semanais será executada, desde que seja vantajosa para o trabalhador”.

2. Intervalo

O intervalo dentro da jornada diária de trabalho poderá ser negociado, desde que tenha no mínimo 30 minutos. Hoje a CLT, art. 71 determina mínimo de 1 (uma) hora de intervalo para repouso ou alimentação em qualquer trabalho contínuo que exceda 6 (seis) horas de jornada diária, salvo acordos firmados, desde que não exceda 2 (duas) horas.

3. Bancos de Horas

Segundo a proposta caberá as partes (empresa e empregados, por seus sindicatos) negociar o banco de horas, garantido ao trabalhador o acréscimo de 50% no valor pago pela hora extra.

O que já acontece em algumas atividades profissionais por meio de Convenção Coletiva.

4. Deslocamento

A possibilidade de empresa e empregados negociarem o período de deslocamento do trabalhador até a empresa e de seu retorno.

5. Férias

A proposta prevê a divisão das férias em três partes, com pagamento proporcional aos períodos escolhidos. Respeitando o limite de 15 dias para um dos períodos. Devendo ser negociado por meio de acordos entre empregados e empregadores.

6. Trabalho remoto

Amplamente utilizado por muitas empresas, sobretudo na área de TI, o trabalho remoto ganha espaço na legislação trabalhista, cabendo a negociação entre trabalhadores e empregadores para definição das regras.

 7. Multas para as empresas

A proposta apresentada prevê multa para as empresas que não registrarem seus empregados.

Trabalho temporário

A proposta prevê que os contratos temporários passem para o período de 120 (cento e vinte) dias, prorrogáveis por mais 120. Hoje o período é de 90 (noventa) dias.

A contratação poderá ser feita por terceirizadas ou pela própria empresa que recebe a prestação dos serviços do trabalhador.

Os trabalhadores temporários passam a ter os mesmos direitos previstos na CLT obrigando as empresas contratantes a comprovar as contribuições sociais aos empregados. Não se aplicando, contudo, essas regras aos trabalhadores domésticos.

Jornada parcial

O objetivo é incentivar a contratação de trabalhadores jovens (estudante), mães e trabalhadores mais velhos.

A proposta prevê jornada de 30 (trinta) horas semanais ou 26 (vinte e seis) horas com 6 (seis) horas extras semanais. Com 30 (trinta) dias de férias e possibilidade do trabalhador vender 10 (dez) dias.

Acordos coletivos

A proposta do atual governo prioriza os acordos coletivos, firmados entre as empresas e seus empregados, sobre a CLT em pontos que dizem respeito a jornada de trabalho e salários. Permanecendo inalteradas as normas de saúde, higiene e segurança do trabalho. O governo afirma que direitos adquiridos não serão reduzidos.

Acordos coletivos poderão definir a forma de registar o ponto do trabalhador. Flexibilizando a existência do ponto eletrônico.

As regras para participação em PL ou PR poderão ser definidas por meio de acordos coletivos.

Há a previsão de remuneração por produtividade (o que já acontece no que se refere as metas alcançadas pelo trabalhador, que ganhará uma bonificação em seu salário), planos de salários e a permanência dos trabalhadores no Programa de Seguro-emprego – PSE, que serão estabelecidas por meio de acordos.

Considerações

Disposições que tratam de FGTS, 13º salário, seguro-desemprego e salário-família, o pagamento da hora-extra de 50% acima da hora normal, a licença-maternidade de 120 dias e aviso prévio proporcional ao tempo de serviço permanecem inalterados.

A possibilidade de acordos trabalhistas prevalecerem sobre a CLT foi uma informação recebida com muitas críticas, para alguns há a redução de direitos assegurados na legislação.

Os defensores da iniciativa, por sua vez, afirmam que as mudanças trazem mais autonomia aos trabalhadores nas negociações sindicais e contribui para a geração de empregos.

Acontece que como toda mudança que é realizada os efeitos só serão apreciados a longo prazo, podendo então ser verificado se houve melhorias ou não no sistema.

Mas uma coisa é certa, essas mudanças fazem parte de uma estratégia de movimentar a economia do país e estão sujeitas a alterações.


Fonte: uol

Marca x Nome Empresarial: 4 diferenças básicas que você empreendedor precisa saber

Marca vs Nome Empresarial: 4 diferenças básicas que todo empreendedor e empresário precisa saber

É comum no início das atividades empresariais haver confusão entre nome empresarial e marca.

Pensando no tema este post traz as diferenças básicas entre marca e nome empresarialContinuar lendo “Marca vs Nome Empresarial: 4 diferenças básicas que todo empreendedor e empresário precisa saber”

8 dicas jurídicas básicas para quem quer abrir uma franquia

8 dicas jurídicas básicas para quem quer abrir uma franquia

Considerada uma forma prática de abrir um negócio, pois já existi um modelo pronto, as franquias são uma ótima forma de investimento e vem crescendo bastante no Brasil.

Mas, é preciso conhecer os padrões e regras que devem ser cumpridos. Continuar lendo “8 dicas jurídicas básicas para quem quer abrir uma franquia”

6 dicas jurídicas para empreendedores e empresários iniciantes

6 dicas jurídicas para empreendedores e empresários iniciantes

Esse artigo tem o objetivo de conscientizar empreendedores e empresários iniciantes sobre alguns cuidados jurídicos que devem ser considerados antes de abrir uma empresa.

O empreendedor deve estar ciente de que assuntos jurídicos estarão sempre presentes nas atividades da empresa. Continuar lendo “6 dicas jurídicas para empreendedores e empresários iniciantes”

5 motivos para procurar uma assessoria jurídica

5 motivos pelos quais todo empreendedor e empresário iniciante deveria procurar uma assessoria jurídica

Quando iniciamos no mundo do empreendedorismo priorizamos alguns assuntos, que consideramos importantes, como buscar investidores, conquistar clientes, deixando de lado assuntos como a assessoria jurídica, por exemplo.

Alguns empreendedores e empresários iniciantes tem dúvidas quanto a necessidade de consultar um advogado ou ter um advogado/assessoria jurídica para orientação continua em sua empresa. Continuar lendo “5 motivos pelos quais todo empreendedor e empresário iniciante deveria procurar uma assessoria jurídica”

Passo a passo: 6 etapas que devem ser seguidas para formalizar seu negócio

Passo a passo: 6 etapas que devem ser seguidas para formalizar seu negócio

Depois de escolher o produto ou serviço que se quer trabalhar, estruturar o modelo do negócio, ou, muitas vezes depois de algum tempo atuando na informalidade o empreendedor que abrir sua empresa e precisa passar por algumas etapas.

É preciso definir o tipo e o porte da empresa, local de atuação da empresa e regime tributário. Continuar lendo “Passo a passo: 6 etapas que devem ser seguidas para formalizar seu negócio”

5 informações básicas que todo empreendedor iniciante precisa saber sobre contratos

5 informações básicas que todo empreendedor e empresário iniciante precisa saber sobre contratos

No início da jornada empresarial muitos empreendedores e empresáros não dão a devida atenção à formalização de seus contratos, pois consideram que “isso pode ser visto depois”.

Mas é importante lembrar que formalizar o negócio comercial por meio de documentos facilita a comunicação entre as partes, pois estabelece os direitos e deveres de cada um dos envolvidos na relação. Continuar lendo “5 informações básicas que todo empreendedor e empresário iniciante precisa saber sobre contratos”